07 setembro 2012

O Infante Portugal vol.3: Capa de Capítulo I | Chapter Cover I


Após o interregno, vou seguir as ilustrações por ordem de capítulos onde surgem e não cronologicamente. Qualquer uma destas foi feita há mais de 1 ano, pelo que alguns aspectos da produção podem escapar-me...
I’ll go through the illustrations in the same order as the chapters they appear in and not chronologically. Any one of these was done well over a year ago, so some of the aspects regarding their production may escape me... 
Vulcão & Efraim Al Tothmea
O principal vilão do universo O Infante Portugal, criado por José de Matos-Cruz, o Vulcão (aliás, Nero Faial, artista e curador da Fundação de Artes Narcisistas) desapareceu da cena de Lisboa, deixando muito pó por assentar. Numa viagem mal trilhada pela Terra do Fogo e atravessando as ruínas de um antigo local Alexandrino, encontra-se com uma figura fantasmagórica – o sábio Efraim Al Tothmea.
The main antagonist in The Infante Portugal universe, created by José de Matos-Cruz, Vulcão/Volcano (aka, Nero Faial, artist and the Narcissistic Arts Foundation’s curator) has vanished from the Lisbon scene, leaving a lot of dust to settle in his wake. During a trip gone astray in the Land of Fire and crossing through the remains of an ancient Alexandrian place, he meets with a ghostly figure – the wise man Efraim Al Tothmea.
 
A ideia geral estava lá desde o começo, era só uma questão de quanta paisagem ou ruínas ia mostrar. Decidimos fazê-lo um local que o deserto teria reclamado, deixado só alguns vestígios para trás. Quanto ao vilão, o apelo de o fazer aprumado foi grande, mas consegui desarranjá-lo um pouco, para melhor narrar a situação desesperada em que estava e o choque de se cruzar com o espectral Al Tothmea.
The basic idea was there from the start, it was only a matter of how much landscape or ruins would it should. We decided to have it look like a place the desert had claimed back and left only some vague remnants behind. As for the villain, the appeal to depict him sleek was great, but afterwards managed to frazzled him a bit, to better convey his dire situation and startling at meeting the ghostly Al Tothmea.

De resto, deixei-me levar demasiado nos detalhes da arte-final, em especial na folhagem. E prefiro nem comentar o lagarto… ;)
Also, I really went overboard with detailing the inks, especially on the foliage. And I’d prefer not to comment on the lizard… ;)

2 comentários:

  1. Excelente! A arte-final no seu esplendor...

    Alec Guinness? :)

    ResponderEliminar
  2. Olá, Rui! Sim, um Alec algo tardio, talvez devido às referências que usei. Bem apanhado!;)
    Aliás, lá mais para a frente vão surgir outros actores britânicos a emprestar o look a outras personagens (ou pelo menos, assim tentei).

    DM

    ResponderEliminar

comentários!?