23 março 2014

Paths | Percursos


Today I’d like to share an epiphany. It’s funny how things don’t always go as expected; I won’t bitch about life’s vicissitudes or the hassles that deviate us from our paths, for we all get challenges and have to surpass them, eventually. Instead, I’m writing about how it all seems to find a way to run full circle, if we pay attention:
I was storing artwork the other day and found my first comics’ doodles, from around 1983 (must have been 4 or 5y), done for a kindergarten task where we had to adapt a fairy tale. I realized then that, ten years later, in 1993, was when I had my first amateur comics’ published, in our district’s high-school newspaper. Well, exactly ten years after, in late 2003, I had my first shot at doing professional comics, through a (unpublished) graphic novel for Platinum Studios, alongside writer Steven Grant, and, soon after, got in touch with inker/agent Joe Prado, who ushered me into the ‘majors attention (first DC, then Marvel).
So it’s funny that, ten years ahead still, with various up-and-downs in between, in late 2013, Joe – now through another agency, Chiaroscuro Studios, co-funded with Ivan Freitas da Costa – again found me a break back into the ‘biz, with a gig on Dark Horse Comics’ X (vol. 2); a title which, curiously, had been developed by Steven Grant in the 90’s! There are other peculiar numeric patterns that I could point out, but you get the gist.
…Now, I *know* there must be some sort of cosmic logic to all these time spans and affiliation coincidences, but heck if I can figure it out. I just draw pictures for a living ;)


Hoje quero partilhar uma epifania. É engraçado como nem sempre tudo corre como previsto; não me vou queixar aqui das vicissitudes da vida ou dos desaires que nos desviam dos percursos, porque todos nós nos deparamos com desafios e temos de os superar, eventualmente. Em vez disso, escrevo sobre como tudo parece fechar ciclo, se prestarmos bem atenção:
Estava a arrumar trabalhos noutro dia e encontrei os meus primeiros rabiscos de BD, de 1983 (devia ter uns 4 ou 5a), feitos na creche, com o objectivo de adaptar um conto popular. Apercebi-me de que, dez anos depois disso, em 1993, tive a primeira BD amadora editada, no jornal escolar do concelho. Ora, precisamente dez anos mais tarde, no final de 2003, surgiu a primeira ocasião para fazer BD profissional, numa (inédita) novela gráfica para a Platinum Studios, escrita por Steven Grant e, logo a seguir, entrei em contacto com o artista/agente Joe Prado, que me levou à atenção das editoras ‘majors (primeiro DC e depois na Marvel). Daí ser caricato que, dez anos à frente, com vários pontos altos e baixos pelo meio, em final de 2013, o Joe – agora pela agência Chiaroscuro Studios, co-fundada com Ivan Freitas da Costa – novamente me proporcionaram um regresso ao sector, com um trabalho para a Dark Horse Comics, no título X (vol.2); titulo este que, curiosamente, fora desenvolvido nos 90’s por Steven Grant! Há mais padrões numéricos peculiares a frisar, mas já perceberam a ideia.
…Posto isto, eu *sei* que deve haver qualquer lógica cósmica a unir estes saltos no tempo e coincidências de conhecimentos, apesar de não conseguir explicá-la. Fico-me só por desenhar bonecos ;)


Sem comentários:

Enviar um comentário

comentários!?