08 junho 2011

VII Festival Internacional de BD de Beja

Apesar da crise, abriu portas o VII Festival Internacional BD de Beja (FIBDB). Já é sabido que este evento da planície é das melhores referências em festivais de BD ibérica, pela sobriedade e excelência de execução, e eclectismo entre o comercial e independente com que pauta as expos e convida autores. Entre 28 Maio e 12 Junho, os locais costumeiros – a Casa da Cultura de Beja (sede da Bedeteca de Beja), Biblioteca Municipal José Saramago, Museu Jorge Vieira, Galeria do Desassossego, Museu Regional e Teatro Municipal Pax Julia – acolhem as mostras e programação frisadas no site oficial.

Embora tenha visitado o festival num fim-de-semana desastroso, com uma chuvada brutal que até teve direito a granizo, o clima de descontracção e oportunidade para tertuliar com amigos não enegreceu minimamente a experiência – antes pelo contrário. Para a memória fica o team-work urgente em que eu, o Tiago (Mongorhead Comics), o Silvestre (aka Véte BD) e o Paulo (Director do FIBDB) nos armámos de vassouras para aliviar uma pesada bolsa de água que se acumulava num recanto do toldo da zona comercial;)

Resta salientar o bom: o já mencionado fantástico trabalho e cuidados nas expo; e mau: o facto de este ano não ter havido propostas de trabalho para edição na Colecção Toupeira…
Aproveito para divulgar que as edições Arga Warga estão disponíveis no mercado do festival.

In spite of the economic crisis, Beja’s VII International Comics Festival has opened its doors. It’s well known that this event of the plains is amongst the best reference in iberic comics’ festivals, for its sobriety & excellence in execution, and for the mainstream and independent eccletism with which it mounts the exhibits and invites authors. From 28 May to 12 June, the galleries and spots will hold the show’s various displays and program, which are shown in the official website.

Although I choose a disastrous weekend to visit it, due to a brutal thunder storm that also rained hail, the atmosphere of relax and chance to gather with friends didn’t dim the experience in the slightest – quite the opposite. Faded to memory is the urgent team-work in which I, along with Tiago (of Mongorhead Comics), Silvestre (aka Véte BD) and Paulo (director of the festival) armed ourselves with brooms in order to relieve a heavy pocket of water that was forming in a corner of the tent of the commercial area;)

The good: the already mentioned amazing work and carefulness in the exhibits, plus distribution of spaces; the bad: the fact that this year no one present work to publish in the comic of Toupeira Collection…

2 comentários:

  1. Notei a tua ausência na abertura do festival.
    É pena a distância de Lisboa a Beja ainda ser considerável, pois não me importava nada de ir até lá os três fim-de-semana do festival. Com a concentração de actividades que há no 1º, acabei por não apreciar devidamente todas as exposições.
    O ambiente de convivio é fantástico, mas pelos vistos, este ano o S.Pedro agoirou um bocado este 2º fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  2. Boas, Rui! ...Agoirou, mas valeu pela "aventura";) E só tenho a aplaudir os cuidados da org. em tomar todas as providências para que nenhuma propriedade ou produto saísse danado da intempérie. Realmente, o Paulo Monteiro é incansável!

    ResponderEliminar

comentários!?